Home Imprimir Voltar

Notícias

Inflação de novembro em Campo Grande é a menor dos últimos 18 anos

Autor: Cidiana Pellegrin - 13/12/2018

Habitação, Transportes e Despesas pessoais foram motivadores do resultado, informa o Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais da Uniderp

 

O Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) encerrou o mês de novembro com deflação de -0,10%, indicador muito menor que outubro desse ano, quando ficou em 0,78%. O resultado é o mais baixo dos últimos 18 anos, no comparativo entre os meses de novembro, segundo o Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes) da Uniderp.

 

De acordo com o coordenador do núcleo, Celso Correia de Souza, essa taxa só superou a registrada em novembro no ano 2000, quando foi de -1,02%. “As quedas de energia elétrica, combustíveis e artigos de uso pessoal foram os grandes responsáveis por essa deflação em Campo Grande”, revela.

 

Os índices dos grupos que mais contribuíram foram: Habitação, com taxa -0,87% e contribuição de -0,10%; Transportes, com indicador -0,44% e participação de -0,07%; Despesas Pessoais, com -0,78% e contribuição de -0,07%; e Vestuário, com deflação de -0,55% e contribuição de -0,04%. Evitando que a queda da inflação fosse maior, ficaram Alimentação, com inflação de 0,47% e contribuição de 0,12% para o índice; e Educação, com inflação de 1,03% e colaboração de 0,06%. O grupo Saúde permaneceu estável.

 

O comportamento de deflação apresentando em novembro fez regredir, ainda, a inflação acumulada, que em outubro beirou a meta do Conselho Monetário Nacional (CNM) para o país em 2018. Contando os 11 meses de 2018, o acumulado está em 3,56%; já em 12 meses, o indicador é de 3,99%, abaixo do centro da meta inflacionária do CMN, que é de 4.5%.

 

Para o pesquisador da Uniderp, o resultado não era esperado para o período, porém deu sinais que a inflação deste ano ficará dentro da meta inflacionária. “A estabilização do valor do dólar frente ao real pode acabar por influenciar o índice de inflação, com quedas de preços de alguns produtos importados como o trigo, máquinas de alta precisão, eletroeletrônicos, gasolina e produtos natalinos em geral. Por outro lado, o dólar num patamar mais baixo pode também dificultar as exportações de uma série de commodities brasileira, principalmente, milho, soja e carne bovina, está última já apresentando reflexos de redução de preços no mercado interno na maioria dos cortes”, complementa Celso.

 

O professor informa, também, que os fatores que poderão ainda ajudar na redução da inflação neste ano são o nível de desemprego no país, os altos juros praticados na economia e o grau de endividamento da população, fatores que motivam a queda de consumo, inclusive, em produtos de alimentação.

 

Segmentos

O grupo Habitação apresentou uma forte deflação em seu índice, -0,87%, em relação ao mês anterior. O resultado foi motivado, principalmente, pelas reduções de produtos e serviços como: vassoura (-5,12%), energia elétrica (-4,06%), desinfetante (-2,40%), sabão em pó (-1,42%), entre outros.

 

Já a Alimentação apresentou alta de 0,47%. As maiores elevações foram identificadas com a cebola (37,68%), tomate (34,45%), maracujá (33,55%), entre outros. Reduções de valor ocorreram com: limão (-33%), abacaxi (-26,73%), melão (-26,04%), entre outros.

 

Para Celso, a inflação do grupo é reflexo do clima severo nas regiões produtoras de alimentos, principalmente, frutas e legumes, que tiveram reajustes de preços e queda na qualidade. “O grupo Alimentação é o melhor termômetro para explicar o comportamento da inflação ao longo do ano, pois, tem a segunda ponderação na formação do índice inflacionário geral, e tem grande importância para o consumidor, por se tratar de alimentação. Ele sofre muita influência de fatores climáticos e da sazonalidade de alguns de seus produtos”, explicou o pesquisador da Uniderp.

 

Dos quinze cortes de carnes bovina pesquisados pelo Nepes da Uniderp, a maioria teve quedas de preços. São eles: filé mignon (-8,90%), paleta (-4,29%), ponta de peito (-3,02%), contra filé (-2,70%), coxão mole (-0,95%), costela           (-0,71%), acém (-0,46%) e vísceras de boi (-0,38%). O lagarto e a picanha ficaram valores estáveis. As altas foram constatadas apenas com cupim (5,63%), patinho (3,85%), fígado (3,40%), músculo (2,02%) e alcatra (2,09%).

 

Quanto a carne suína, tiveram quedas de preços a bisteca (-4,55%) e a costeleta (-2,11%); e o pernil aumento de 3,89%. O frango resfriado subiu 1,20% e miúdos permaneceram estáveis.

 

O grupo Transportes apresentou deflação de -0,44% em novembro, devido a quedas de preços do etanol (-2,47%), gasolina (-1,22%), diesel (-1,11%) e das passagens de ônibus interestadual (-0,45%). 

 

A Educação fechou em 1,03%, devido a aumentos de preços em artigos de papelaria.

 

Seguindo comportamento contrário, o grupo despesas pessoais ficou abaixo de outubro: -0,78%. Produtos que registram alta no segmento pesquisado foram: protetor solar (4,40%), creme dental (3,07%), sabonete (1,51%), entre outros. Quedas de preços ocorreram com hidratante (-3,57%), ingresso de cinema (-3,28%), cabeleireiro (corte e tintura) (-2,86%), entre outros.

 

A Saúde, em novembro, permaneceu estável e o grupo Vestuário apresentou deflação de -0,55%. Os aumentos mais significativos foram com: vestido (6,96%), sandália/chinelo feminino (6,07%), short e bermuda masculina (4,94%). As principais reduções de valor acontecerem com: camisa masculina (-7,37%), saia (-7,35%), sapato masculino (-6,77%), entre outros.


Maiores e menores contribuições

 

Os 10 "vilões" da inflação, em novembro:

 

  • Serviços de Correios, com inflação de 5,99% e contribuição de 0,08%;
  • Tomate, com inflação de 34,45% e contribuição de 0,06%;
  • Papelaria, com inflação de 1,03% e participação de 0,06%;
  • Sabão em barra, com variação de 5,06% e colaboração de 0,03%;
  • Vestido, com acréscimo de 6,96% e contribuição de 0,03%;
  • Blusa, com variação de 4,13% e colaboração de 0,03%;
  • Cebola, com acréscimo de 37,68% e contribuição de 0,03%;
  • Pescado fresco, com reajuste de 5,00% e participação de 0,03%;
  • Alcatra, com elevação de 2,09% e colaboração de 0,03%.
  • Saia, com acréscimo de 4,94% e contribuição de 0,02%;

 

Já os 10 itens que ajudaram a segurar a inflação, com contribuições negativas foram:

 

  • Energia elétrica, com deflação de -4,06% e contribuição de -0,16%;
  • Leite pasteurizado, com redução de -7,90% e colaboração de -0,09%;
  • Etanol, com decréscimo de -2,47% e contribuição de -0,05%;
  • Gasolina, com baixa de -1,22% e colaboração de -0,05%;
  • Tênis, com queda de -6,67% e participação de -0,05%;
  • Camisa masculina, com redução de -7,37% e contribuição de -0,05%;
  • Cabeleireiro, com decréscimo de -2,86% e colaboração de -0,04%;
  • Diesel, com queda de -1,11% e participação de -0,04%;
  • Hidratante, com diminuição de -6,57% e participação de -0,03%;
  • Sapato masculino, com baixa de -6,77% e contribuição de -0,03%.

 

IPC/CG

O Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) é um indicador da evolução do custo de vida das famílias dentro do padrão de vida e do comportamento racional de consumo. O IPC busca medir o nível de variação dos preços mensais do consumo de bens e serviços, a partir da comparação da situação de consumo do mês atual em relação ao mês anterior, de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos. A Uniderp divulga mensalmente o IPC/CG por meio do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes).

 

Contatos para a imprensa:

 

Weber Shandwick

http://www.webershandwick.com.br   

Twitter/ Facebook / Youtube

PABX: (11) 3027.0200

Celulares: (67) 98222.0000 / 98118.9590

 

Cidiana Pellegrin – cpellegrin@webershandwick.com

Viviane Santa Cruz – vsantacruz@webershandwick.com

Renata Albuquerque –  ralbuquerque@webershandwick.com